setembro 26, 2007

Poema Sem Fim

Talvez não saibas
que, algures, se encontra uma alma igual à tua,
que te procura e anseia pela tua chegada...
Talvez não percebas
o quanto preciso de ti,
o quanto me faz feliz a tua existência.
Talvez não ouças
meus gritos na noite.
Gritos feitos de paixão e de silêncio,
gritos que se ouvem por toda a extensão do mar.
Gritos que se perdem
na imensidão do espaço e do tempo,
que nos separam e preenchem os sonhos da nossa vivência.

6 comentários:

Sei que existes disse...

Espero que esses gritos venham a ser ouvidos!...
Beijos grandes

Tiago R Cardoso disse...

Que essa procura seja continua até encontrares o teu destino.

Carol disse...

Acho que vos vou atribuir o prémio de comentadore e leitores mais assíduos... Obrigada.

foryou disse...

Não sabe? Então grita mais alto, talvez oiça! :)
Bonito!

Carol disse...

Oh, foryou, estou quase afónica de tanto gritar! Acho que ele é surdo...

Carol Barcellos disse...

Encontrei seu site hoje, viajando pelos links, e que surpresa tão agradável estar aqui. Voltarei sempre. Amei os poemas, principalmente porque me definem agora. Também estou cansada de tanto gritar. Parei. Agora, espero apenas, enquanto observo a passagem do tempo.

Beijos!