outubro 03, 2007

Jardim

Sinto-me uma flor
bafejada pelo vento.
À tua passagem
abro-me em volúpia,
à procura da luz que emanas
e do calor que me transmites.

Vem a noite.

Recolho-me em silêncio resignado,
esperando vencer a solidão.
Em ânsia por um novo dia,
aguardo a tua chegada,
meu amor,
para que possas saciar o teu desejo
no amarelo que me coroa.

Procuro o nosso jardim cheio de promessas
e espaços de liberdade sem fim...

7 comentários:

Joshua disse...

Escrever um poema é um exercício de profundidade e de respiração silenciosas. Damos por nós, de repente, envoltos pelo jogo das palavras e é como se elas fizessem ainda mais justiça duradoura às fugazes vivências por detrás.

O amor, a ternura, a doce paz que buscamos, tudo ali, no poema, se cristaliza, aguardando que, ao lê-lo ou ao revisitá-lo na memória, de novo se desencadeie, se evole, odoroso,
num dinamismo de perfume-feitiço.

Poema puxa poema, Carol.

Beijos

joshua

Tiago R Cardoso disse...

Hoje não vou dissertar nada, vou-me sentar na cadeira e apreciar a tua escrita.
Muito bom.

Sei que existes disse...

O amor é maravilhoso!
Beijos

Sei que existes disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
adrianeites disse...

é incrível a qualidade da poesia que se pratica nos blogues!

parabens!

adrianeites disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
adrianeites disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.