março 11, 2008

Mar de Amor

A praia está deserta.
Os raios do sol
Pintam de luz a areia.
O mar atira gargalhadas
Às rochas
E tempera com a maresia
Os nossos corpos,
Que se enroscam
E flutuam nas ondas
Desta paixão absurda.

22 comentários:

Tiago R. Cardoso disse...

E um mar de beleza que são as tuas palavras.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Carol, lindo poema... Chegou ao meu coração!
Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Sei que existes disse...

Por aqui continua uma poesia única e maravilhosa.
Beijo grande

Lawstude disse...

Ola!!!

quintarantino disse...

... menina, eu para me enrolar nas ondas, como bem sabes, basta-me a prancha ... mas gosto de te ler. como sabes ...

Sol da meia noite disse...

Sabemos que as paixões são absurdas... por serem efémeras.

Beijinho

Sniqper ® disse...

Paixão absurda, será! Depois de muitas e muitas palavras que li, escritas com sentimento, direi que esse absurdo é um pequeno lapso no tempo, um salto de ponteiros, nada mais...

Blondewithaphd disse...

Dearest, pay attention to bro or that may well be the Mar de Espinho;)

adrianeites disse...

que saudades da praia...

Lampejo disse...

Carol,

Plena sincronia, o amor desbordando-se na exatidão do azul Mar.

Um canto a paixão Desenfreada,
absurda às vezes...Porem, deliciosamente!

Belo poema!

(a)braços e flores :)

Eu volto!

O Guardião disse...

É a 1ª vez que por aqui passo e acabei por ler mais do que o post de 11/3. Gostei do estilo, breve mas intenso, e sobretudo longe do registo tristonho que caracteriza muita da poesia que às vezes leio.
Voltarei, decerteza.
Cumps

poetaeusou . . . disse...

*
as rochas flutuam,
nos sonhos da paix�o,
na praia cheia de mim,
gargalhando ao sol,
,
conchinhas
,
*

O Profeta disse...

O Sol abandonou o céu
A Lua ironiza no celeste
Soltas perversas vontades
Cruzam a tua vida agreste


Convido-te a partilhar a minha visão da forma em
como a vida às vezes é perversa para algumas mulheres…

Bom fim de semana


Doce beijo

SILÊNCIO CULPADO disse...

Carol
Ainda bem que voltaste à paixão da vida pela vida.
Gostei do teu poema.

Em comemoração do dia da poesia deixo-te este belo poema de Eugénio de Andrade:

Tudo me prende à terra onde me dei
O rio subitamente adolescente,
A luz tropeçando nas esquinas,
As areias onde ardi impaciente.

Tudo me prende do mesmo triste amor
Que há em saber que a vida pouco dura
E nela ponho a esperança e o calor
Duns dedos com restos de ternura.

Dizem que há outros céus e outras luas
E outros olhos densos de alegria
Mas eu sou destas casas, destas ruas,
Deste amor a escorrer melancolia.

Beijinhos

Carol Barcellos disse...

Ah, que maravilha essa paixão "absurda"!!!
Achei lindo vc dizer que "o mar atira gargalhadas às rochas", que "os raios do sol pintam de luz a areia", e que o mar "tempera com a maresia os corpos". Já sei com que eu gostaria de estar nessa praia deserta...

Maravilha, Carol, acho que este poema é umas das coisas mais lindas que vc já escreveu!!!

Beijos e pétalas de cristal, e um excelente fim de semana!!! :o*

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Olá Carol

Agrdeço seu comentário e sua correção!
Um escorregão...
Abraço
Luiz

São disse...

Um poema bonito neste começo de Primavera, que desejo feliz!
Saudações.

Zé Povinho disse...

Terminou o meu afastamento quase forçado, e embora ainda tenha uma loga tarefa pela frente, espero retomar a minha actividade daqui a pouco, e com alguma regularidade.
Descobri este cantinho agradável, com belos textos poéticos, curtos e bastante concretos. Gostei.
Obrigado pelas visitas, que me vou habituar a retribuir.
Abraço do Zé

LUIZ SANTILLI JR. disse...

Oi Carol!

Cuidado com o mar e as rochas!!!

Nos penhascos do Guarujá, não se pode facilitar!

É melhor curtir nas águas da beirada da areia!

Beijo

Fa menor disse...

Nada melhor do que a praia para pintar sentimentos.

Beijinhos e
Boa Semana Santa

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Carol, belo poema...Bela paixão !
Beijos

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Carol, belo poema...Belo mar de amor !
Beijos