julho 19, 2009

Palavras

As palavras sempre fizeram parte do meu mundo.
Muitas vezes saiem do meu peito
Sem que eu o perceba
E fazem-se ouvir no meu rosto
Sem que eu o deseje.
As palavras vivem em mim,
Constituem o meu mundo.

E por isso te dou palavras.
Umas vezes, digo-as.
Outras, escrevo-as.
Outras, ainda, deixo que transpareçam no meu rosto, nos meus olhos.

Umas são beijos que domam a tua boca.
Outras são facas que se cravam no teu peito.
Muitas são toques suaves no teu rosto.

Por isso estranho tanto os teus silêncios.
Por isso não entendo a ausência de palavras no teu mundo...

12 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Carol,

Aqui no Brasil se diz: "Quem fala o que quer, ouve o que não quer".
Há algum tempo atrás andei ouvindo alguns silêncios. Como é difícil!

Beijos!
Alcides

Joaninha disse...

As palavras, quem as entende...Umas vezes dizem tudo, outras não dizem nada e outras ainda dizem coisas que não queremos dizer.
Em certos contextos o silêncio é infinitamente mais exclarecedor.
Bonitas palavras by the way :)

beijos

Amor amor disse...

Carolzinhaaaaaa, muitas saudades!!! Como é que vc tá, menina? Escrevendo belamente, como sempre, ah, disso eu sei. Carol, vc não sabe o quanto eu pude me enxergar nesse poema. Também não entendo um mundo com ausência de palavras, ainda mais por estar rodeada delas, e não saber viver sem elas. Acabamos por vezes duvidando se estamos certas. Mas tenho certeza que estamos!!!

Beijinhos doces cristalizados!!! ;o)

Blondewithaphd disse...

Mulher, tu nem me fales em falta de palavras que eu acho que morria!!!!!!! Fala, fala o que quiseres. Tu num te cales!

adrianeites disse...

ha pessoas mais comedidas, mais introvertidas...

.boa semana!

miss s. disse...

Que lindo!

Carol disse...

Há silêncios muito difícies, Alcides...

Efectivamente, Joaninha, há alturas em que maiis vale estar calado! Beijinhos.

Eu preciso de palavras, Carol. Nem precisam de ser muitas, mas preciso que estejam lá, que sejam ditas... Beijo de saudade!

E num calo mesmo, Blondie!

Isso também é verdade, Adrianeites!

Achas mesmo, Miss? Fixe! ;)

Whispers disse...

Ola Carol!
por vezes existe silencio que magoa mais do que palavras.
Eu,sempre fui uma pessoa de falar muito,raro dar silencio as pessoas,mas tambem ja recebi o silencio e sei ate que ponto ele doi.
Desejo que tenhas um feliz fim de semana
beijinhos mil
Rachel

Alice disse...

As palavras são traiçoeiras. Escutar o silêncio é ir para além das palavras, é ir à essência.
Não acredites em tudo o que dizem, acredita no que sentes

Pedro disse...

Realmente, é de estranhar um gajo levar uma facada que se crava no peito e não dizer nada. Olha, lá está, é como a Alice quando come o bolo e não lhe acontece nada - também estranha. É o tal hábito que tem muita força.

(Embora eu ache que o silêncio, quer dizer simplesmente, e numa linguagem parlamentar: estou-me cagando para as tuas merdas. Não é de estranhar, alfim. Mas isto, claro está, para além de pouco poético tem pouca graça dito assim.)

Dalaila disse...

As palavras vestem.nos por dentro

Fernando Teixeira disse...

Olá. Há aqui à tempos escrevi já não sei bem onde, que talvez não gostasse lá muito de poemas. Bom, hoje como estou a começar a rel o livro de Rui Herbon "O Romper das Ondas", entro no blg da Carol e, deparo com este poema, lindissimo.
Deixem-me dizer isto:-Porra e Carago... É bonito.
Muitos parabens.
Que eu tenha (palavras) para ela, quem merece.