setembro 24, 2008

Aquilo Que Tu Quiseres

Serei quem tu quiseres,
Aquilo que tu quiseres.

Serei a mão que te agarra,
A muralha que te resguarda
E te põe a salvo daquilo que vier.

Serei o abrigo que te protege da chuva,
A loção que permite que o sol não te queime a pele,
A água que te acalma a sede no calor do deserto.


Serei o que quiseres,
Meu amor,
Quando tu quiseres...


Enquanto tu quiseres,
Enquanto aqui me quiseres.

34 comentários:

antonio - o implume disse...

O amor sofre com o repto.

George Townboy disse...

Beautiful, Carol ... more than poetic!

André Couto disse...

Sobre um Poema

"Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

- Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
- E o poema faz-se contra o tempo e a carne"

(Herberto Helder)

Saudações.

Luiz Santilli Jr disse...

Carol

Poema com um profundo espírito de entrega!
Na verdade a entrega total!

É mais que paixão!

Abraço

Luiz

PS>Ainda vou ver uma flor sua no TODAY'S FLOWERS!

Só Eu disse...

E feliz do destinatário deste poema. Que entrega!
Gostei do teu blogue e vou voltar com toda a certeza.
Beijinho

Blondewithaphd disse...

A loção?! Ó mulher, nem quero imaginar mais nada... :)
Mas olha que também é bom sermos o que NÓS quisermos, vale?

Carol disse...

Or not, ANTÓNIO...

Thanks, GEORGE!

ANDRÉ, muito obrigada pelo poema. É lindo!

SANTILLI, amigo, tem razão quando diz que é mais que paixão. É, de facto, muito mais do que isso!

Quanto à flor, pode ser que sim. Quem sabe...

Volta sempre que quiseres, SÓ EU! E ainda bem que gostaste!

BLONDIE, darling, claro que sim! Eu sou isto tudo sobretudo porque assim o desejo.

Walter disse...

Sabes, eu acredito que tanta dedicação e amor pode trazer alguma dor. Dói-me pensar que pode não ser recíproco, porém para quê pensar nisto e minar algo que pode (re)nascer a cada gesto de entrega? Lindo este teu poema...soberbo
walter

Walter disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joaninha disse...

Somos tudo e o que não somos arranjamos maneira de o ser, não é?

Desdobramo-nos e 31 se preciso for. Mas no fim, sabe bem poder ser tudo isso para alguem.
Beijos amiga

Carol disse...

Soberbo,Walter? Acho que corei...
Em relação ao que dizes, tens razão. Há sempre alguma dor à mistura, porque dificilmente duas pessoas se entregam da mesma forma.
Mas não pensemos em coisas tristes!

É isso mesmo, JOANINHA! O que não somos, arranjamos forma de ser... Mas, sim, é bom poder amar.

Beijinhos.

Ferreira-Pinto disse...

I liked it!

André Couto disse...

Ousadia permitida e desejada.
Adorei realmente o teu poema.
Obrigado pela visita.

DANTE disse...

È a unica escravidão que não sabe a amargo , esta a do amor...

Jokas carol :)

Carol disse...

FERREIRA-PINTO: I'm glad you did, bro!

ANDRÉ,u é que agradeço a visita e o elogio.

DANTE: Grande verdade!

poetaeusou . . . disse...

*
obedece
a quem quiseres,
peço-te,
que continues
a arquitectar poemas como este,
para meu regalo,
,
conchinhas,
,
*

Carol disse...

POETA EU SOU: Os teus pedidos são ordens!;)

R.G. disse...

Entrega total...

Beijo Perdido

Sol da meia noite disse...

Entrega incondicional!

E uma vontade incrível de protegeres quem amas...

Belo e profundo por demais!!!


Beijinho *

[_David_] disse...

Sim... gostei!!

Carol Barcellos disse...

Carol, como consegues lidar tão bem com a palavra "enquanto"? Eu não consigo...Mas, como o Walter disse, penso que não devemos pensar em coisas tristes, mas esperar que cada gesto de entrega faça renascer o amor.

Beijinhos doces cristalizados, e um ótimo fim de semana!!! ;o)

Fa menor disse...

Serei o que tu quiseres, sim, amor... mas... sem me despir da minha personalidade, nem me anular completamente. Isso é o pior erro!

Bijinhos

O Guardião disse...

É fogo que arde e se deixa ver, em cada frase.
Bfds
Cumps

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Carol, belo poema...Intrega encondicional...Espectacular...
Beijo

Peter disse...

Poesia apaixonada, simples e bela, sem palavras "rebuscadas".

Votos de uma boa semana.

O Árabe disse...

Belo poema, amiga! E já viste como o selo ficou bonito, no oásis? :)

Alcides disse...

Carol,

Parabéns pelo belo poema. Visitei seu blog ontem e peço licença para visitar mais vezes. Meu nome é Alcides e moro em Guarulhos, Brasil. Sou colaborador do www.pensamentocris.blogspot.com, blog da minha amiga Irma Cristina, ficaremos felizes com sua visita.

Beijos!
Alcides

Carla disse...

ser tudo o que querem que sejamos é...perfeito, mas também castrador daquilo que queremos ser.
Mas as tuas palavras ofereceram-me uma calma e uma serenidade que me apetece relê-las
beijos

adrianeites disse...

isso é que é entrega...

Dalaila disse...

mas serei eu nesse amor,
enquanto eu quiser,
ele durar,
tu me tiveres,
e eu acreditar

Cátia disse...

lindo o poema! gostei muito do blog!voltarei, sem dúvida!
bj

Carol disse...

RG: Nem mais! Beijinhos.

SOL DA MEIA NOITE: Obrigada!

A sério, DAVID? Então, volta mais vezes!

Minha querida Carol, a vida é um segundo que se esfuma num instante. Por acreditar nisso, aprendi a relativizar a palavra enquanto. Beijinhos, linda!

Isso nunca, FÁ MENOR!

GUARDIÃo, se o diz, eu acredito!

Muito obrigada, FERNANDO!

PETER, sinceramente nunca gostei do rebuscado.

Obrigada, ÁRABE! E sim, já vi o selinho!

ALCIDES, volte sempre! Logo que possa, vou conhecer o vosso blog.

CARLA, elas estão aqui para as releres sempre que desejares!

Pois é, ADRIANEITES...

DALAILA, é exactamente isso!

Carol disse...

E serás muito bem vinda, CÁTIA!

Parapeito disse...

...è assim que tem de ser :) quando se ama...não pode ser por menos...sempre por mais
E depois vale sempre enquanto é bom...
Que seja eterno enquanto dure *****